top of page
  • Quindim

Coordenadora do ILQ apresenta projeto premiado em Congresso no Rio de Janeiro

Projeto de pesquisa apresentado por Franciele de Oliveira é vencedor do 2º Prêmio AMAR (Associação Internacional de Estudos de Afetos e Religiões) na categoria monografia


Franciele de Oliveira, coordenadora do Instituto de Leitura Quindim, apresentará nesta quarta-feira (10/08) no Congresso "As Jornadas sobre Alternativas Religiosas na América Latina", que acontecerá no estado do Rio de Janeiro, o seu projeto de monografia, intitulado como "As senegalesas em Caxias do Sul: mulheres africanas e muçulmanas na cidade católica" e vencedor do 2º Prêmio AMAR (Associação Internacional de Estudos de Afetos e Religiões), contemplado com o 1º lugar na categoria monografia.


"As XX Jornadas sobre Alternativas Religiosas na América Latina", sob o tema geral Religiões na América-Latina Horizontes e Novos Desafios, acontecerão do dia 09/08 ao dia 13/08/2022, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais IFCS - UFRJ e serão promovidas pela Associação de Cientistas Sociais da Religião do Mercosul (ACSRM).


Foto: Franciele de Oliveira

Para pensar o contexto social e o que é ser uma mulher africana, Franciele utilizou também os textos da escritora nigeriana Chimamanda Adichie. Adichie é uma escritora nigeriana e feminista de reconhecimento internacional por suas obras e discursos. Através de sua produção literária e vivências próprias, relata o lugar que a mulher ocupa na sociedade africana, de submissão e desvalorização do gênero feminino com relação ao masculino. Segundo Adichie (2015, p. 23) “Sempre que vou acompanhada a um restaurante nigeriano, o garçom cumprimenta o homem e me ignora. Os garçons são produto de uma sociedade onde se aprende que os homens são mais importantes do que as mulheres". No acervo da Biblioteca Quindim, existem diversos livros da escritora disponíveis para empréstimo.


Foto: acervo da autora


Outra referência teórica importante utilizada na monografia da coordenadora, foi Oyěwùmí, uma socióloga nigeriana que faz parte do grupo de estudiosos africanos que procuram um entendimento pluriversal e de categorias não colonizadas próprias para a África. Eça trabalha principalmente com gênero, feminismo ocidental e epistemologias africanas.


No mês de julho, foi comemorado o Dia Nacional de Combate à Discriminação Racial, crime que está relacionado a qualquer comportamento ou fala de distinção, exclusão, restrição ou preferência por determinada raça, nacionalidade, ascendência, cor ou ética. É dever de toda sociedade rever atitudes e combater esse problema.

Na biblioteca do Instituto de Leitura Quindim temos inúmeras obras para as famílias conversarem com seus filhos no momento da leitura. Confira 10 dicas de leitura publicadas em nossas redes sociais:


1 - “Mãe Sereia”, de Teresa Cárdenas e Vanina Starkoff (Pallas Editora)

2 - “A mãe que voava”, de Caroline Carvalho e Inês da Fonseca (Editora Aletria)

3 - “Omo-oba: histórias de princesas”, de Kiusam de Oliveira e Josias Marinho (Mazza Edições)

4 - “Chama o sol, Matias!”, de Sonia Rosa e Camilo Martins (Oficina Raquel)

5 - “Mandela - O africano de todas as cores”, de Alain Serres e Zaü (Zahar Editora)

6 – “Zumbi”, de Joel Rufino dos Santos e Graça Lima (Editora Global)

7 - “O caderno sem rimas da Maria”, de Lázaro Ramos e Maurício Negro (Pallas Editora) .

8 - “Amoras”, de Emicida e Aldo Fabrini (Companhia das Letrinhas)

9 – “Princesas negras - Edileuza Penha de Souza e Ariane Celestino Meireles (Malê Editora)

10 - “Tecelagem – Uma história ilustrada”, de Goya Lopes (Solisluna Editora)

Coordenação de Conteúdo: Franciele de Oliveira

bottom of page