DIA DOS PAIS: DICAS DE LIVROS PARA MOMENTOS DE AFETO!

Atualizado: Ago 7



São muitos os temas que podem aparecer em uma boa história literária. A literatura não tem a função de passar uma lição de moral e nem de esclarecer um assunto ou resolver um problema. Mas sabemos que ela trabalha no subjetivo organizando e acolhendo sentimentos. A relação filho/filha e pai ou adulto e criança está presente em muitas histórias. O Instituto de Leitura Quindim fez uma seleção de obras para ampliar o olhar sobre o tema da paternidade e para os momentos prazerosos de leitura compartilhada com os leitores de todas as idades.


Livros para pais e filhos/filhas lerem juntos:


1. “Mas papai…”, de Mathieu Lavoie e Marianne Dubuc


Ter uma rotina para dormir não é fácil para o adulto, imagina para as crianças. Papai macaco leva seus filhos pra cama e dá boa noite. Mas sempre falta alguma coisa: "Mas papai, é preciso vestir o pijama antes de deitar! Mas papai... Mas papai...” O que será que um pai, cansado das inúmeras tentativas de colocar seus dois macaquinhos para dormir pode fazer?

Editora: Jujuba



2. “Eu grande, você pequenininho”, de Lilli L’Arronge


Eu grande, você pequeninho apresenta situações de comparação que evidenciam as diferenças entre pai e filho. Diferenças que vão além do tamanho dos dois. Um livro com poucas palavras e imagens potentes construindo essa linda história de compreensão, respeito, aprendizado e afeto. Uma obra para os pais compartilharem com os pequenos leitores onde a relação de amor cresce a cada virada de página.


Editora: Companhia das Letrinhas



3. “Papai!”, de Philippe Corentin


No processo de crescimento a criança passa por diferentes fases do medo. Mas como ajudar a criança a lidar com os seus medos? O livro conta essa aventura. O pai é acordado no meio da noite: "Pai! Tem um monstro na minha cama!". A história convida o adulto a ouvir os medos e adentrar no imaginário infantil construindo estratégias bem-humoradas para as crianças enfrentarem os seus medos.


Editora: Cosac Naify



4. “Meu papai é grande, é forte, mas…”, de Coralie Saudo e Kris di Giacomo


A hora de dormir é sempre um momento dramático. “Eu não quero ir pra cama!”. Quem não ouviu essa frase? Mas que tal contar uma história para esperar o sono chegar? A surpresa dessa história é que o filho conta uma história para o seu pai dormir. Essa inversão de “papeis” apresenta uma relação engraçada e de afeto.


Editora: Girassol




5. “Olívia tem dois papais”, de Márcia Leite e Taline Schubah


Olivia tem dois papais, Luís e Raul! A escritora Márcia Leite encontrou uma forma sensível e fundamental para apresentar nesse livro uma outra estrutura familiar cheia de afeto que recebe a menina Olivia. Uma história emocionante que retrata a adoção, a relação da Olivia com seus dois pais e os sentimentos e leitura de mundo da menina.


Editora: Companhia das Letrinhas



6. “Papai é quase um herói”, de Aline Abreu


Papai é quase um herói! conta a história de um pai protetor, mas que tenta explicar para a sua filha que ele é igual a todos os pais do mundo. A autora Aline Abreu trabalha com a relação afetiva que a criança tem pelo adulto. Uma história super divertida!



Editora: DCL




7. “O Coração e A Garrafa”, de Oliver Jeffers


Como se livrar da dor da perda? Conseguimos aprisionar o coração em uma garrafa? Uma história emocionante de amor entre filha e pai que vai discutir a morte, o luto e a saudade. Um livro que une a narrativa verbal e visual de forma poética para lidar com sentimentos tão duros.



Editora: Salamandra




8. “O Homem que Amava Caixas”, de Stephen Michael King


Essa história linda traz a dificuldade de relacionamento e de demonstração de afeto que acontecem entre pai e filho. Essas dificuldades podem ser superadas com muita imaginação e amor. Stephen Michael King conta a história de um menino que amava o pai e de um pai que amava caixas. Com criatividade essas caixas se transformarão em possibilidades dos dois viverem aventuras juntos.


Editora: Brinque Book


9. “Pai, não fui eu!”, de Ilan Brenman e AnnaLaura Cantone


Ilan Brenman apresenta uma situação bastante corriqueira pra quem tem criança em casa. Depois de uma super bagunça ou de um barulho enorme o pai aparece para conferir o que aconteceu. A criança, muito esperta, sempre apresenta o seu argumento de defesa com a frase “Pai, não fui eu!” e logo pode encontrar um culpado como por exemplo um leopardo. Essa obra traz um diálogo entre a criança e o adulto cheio de delicadeza e imaginação.

Editora: Companhia das Letrinhas


10. “Amoras”, de Emicida e Aldo Frabrini


Em sua estreia na literatura infantil o cantor de rap, Emicida, apresenta uma história cheia de poesia, ritmo e simplicidade. O livro Amoras é inspirado em uma música sua de mesmo nome e que retrata a importância de nos reconhecermos nos pequenos detalhes do mundo! Uma obra para os pequenos leitores aprenderem desde cedo a se orgulhar de quem são e de onde vem!


Editora: Companhia das Letrinhas



11. “O menino Nito”, de Sonia Rosa e Vcitor Tavares


A autora Sonia Rosa apresenta essa história sensível que discute o machismo estrutural em nossa sociedade. Nito é um menino que abre um berreiro por tudo e ninguém aguenta tanta choradeira. Então, seu pai diz: “Você é um rapazinho, já está na hora de parar de chorar à toa. E tem mais: homem que é homem não chora.” Como a criança busca a aprovação dos adultos, essas palavras martelaram tanto a cabeça do Nito que ele resolveu nunca mais chorar e ficou doente. O Dr. Aymoré diagnosticou: o menino tem muitas lágrimas reprimidas. Qual será o remédio?


Editora: Pallas



12. “Pai Francisco”, de Marina Miyazaki Araujo e Marcus Vinicius Vasconcelos


Uma obra sensível e inspirada na canção popular “Pai Francisco”. A história narra a vida cotidiana de um garoto que tem o seu pai preso. O menino relata que, na escola, todo mundo zombava dele. Mas para esse menino o que mais importava era controlar a ansiedade de ter que esperar a próxima visita ao pai. Nesses encontros os dois trocavam afetos e muitas histórias.


Editora: Pólen Livros



13. “Meu pai é uma figura”, de Rosana Mont’Alverne e Maurizio Manzo


Quando somos pequenos sempre achamos nossos pais umas “figuras”. Claro que tem pais que são mais “figuras” que outros. De forma muito divertida a autora Rosana Mont’Alverne apresenta situações bem inusitadas que ganharam nas ilustrações do Maurizio Manzo um toque todo divertido. “Meu pai é uma figura é diversão garantida.


Editora: Aletria




14. “O passeio”, de Pablo Lugones e Alexandre Rampazo


A obra “O passeio”, de Pablo Lugones e Alexandre Rampazo traz o ciclo da vida em um passeio de bicicleta entre pai e filha. Um livro de uma sensibilidade incrível que permite aos pequenos e aos grandinhos refletir sobre dar valor de cada momento e da companhia das pessoas que amamos. Estamos nesse mundo fazendo um grande passeio.


Editora: Gato leitor



15. “Meu pai é uma girafa”, de Stephen Michael King


As visões que as crianças podem ter sobre os adultos se estabelecem de diferentes formas. Às vezes, o pai pode parecer um gigante ou até mesmo uma girafa, um urso polar, um leão, um gorila. Mas quais são as características do seu pai que podem ser comparadas carinhosamente a algum animal? Para o menino dessa história o seu pai é grande e alto, gentil e divertido. Então, o seu pai só pode ser uma girafa! Uma história escrita e ilustrada por Stephen Michael King para os pais se divertirem com seus filhos.


Editora: Brinque Book



Um feliz dia para todos os pais!

INSTITUTO DE LEITURA QUINDIM

©2020 por Instituto de Leitura Quindim