top of page

SEIS ANOS DE QUINDIM: Relembre as muitas faces do rinoceronte que já percorreu o mundo

Atualizado: 4 de fev. de 2021


Crédito: Roger Ycaza

Na semana em que comemora seis anos de existência, o Instituto de Leitura Quindim decidiu resgatar a história de seu querido mascote: o rinoceronte amarelo que faz a alegria de crianças e adultos.


Criado por Monteiro Lobato (1882-1948), considerado o pai da literatura infantil brasileira, Quindim é um rinoceronte que fugiu do circo e foi parar nas terras de Dona Benta, o famoso Sítio do Picapau Amarelo. Foi a boneca de trapo Emília quem o acolheu e se tornou sua primeira amiga. Aliás, foi Emília quem batizou o rinoceronte de “Quindim”, devido à sua personalidade doce.


Além dessa característica atribuída por Lobato, a natureza forte deste mamífero que habita extensas regiões da África e da Ásia não deixa de ser uma excelente metáfora para falarmos sobre literatura. Afinal, trata-se de uma arte simultaneamente humana e selvagem, tendo em vista sua capacidade de mexer tanto com nossas emoções mais sublimes quanto com nossos instintos.


O escritor Volnei Canônica, presidente do Instituto Quindim, costuma dizer: “a literatura pode ser tão forte quanto um rinoceronte e tão doce quanto um quindim”.

O nome “Quindim”, escolhido pelo ilustrador Roger Mello, também presta homenagem ao poeta gaúcho Mário Quintana (1906-1994). O autor de “A Rua dos Cataventos” era apaixonado pelo doce de origem portuguesa, elaborado a base de ovo, açúcar e coco ralado.


AS VÁRIAS FACES DO RINOCERONTE


Desde sua criação, em 2014, o Instituto de Leitura Quindim (que surgiu como Centro de Leitura) cultivou inúmeras amizades e parcerias artísticas. Foi assim que nosso querido mascote começou a ganhar releituras de grandes nomes da ilustração nacional e internacional.


Além da versão assinada por Roger Mello, ganhador do Prêmio Hans Christian Andersen em 2014 (considerado o Nobel da Literatura Infantil), o Quindim ganhou vida nos traços da portuguesa Catarina Sobral, do equatoriano Roger Ycaza e do iraniano Ali Boozari. Nomes como Tita Barrero, André Neves, Anabella Lopez e Mariana Massarani também fizeram suas releituras.


Para expressar nosso carinho, montamos uma galeria virtual com as diferentes faces que o rinoceronte ganhou ao longo dos últimos anos. Veja abaixo:


Leia também:

١ تعليق واحد


Adriana  Camêlo Lucena
Adriana Camêlo Lucena
١٥ سبتمبر ٢٠٢٠

Ahhhhhh, esse rinoceronte amarelo! Quanta alegria em fazer parte do seu roll de amigos! Vida longa ao rinoceronte mais amado do Brasil, "qui sá" do mundo!? A final, quem disse que no Brasil no tem rinoceronte? Tem sim e aqui ele é AMARELO QUINDIM.

Bem-vindo, Ronaldo. Agora você é como nós: um quindinzeiro!!!

إعجاب
bottom of page