top of page

Moçambicano Mbate Pedro é o convidado de abril do Quintal da Língua Portuguesa


Os ingressos já podem ser adquiridos pela Loja Quindim.

Médico e poeta. Assim pode-se descrever o próximo convidado do Quintal da Língua Portuguesa, o moçambicano Mbate Pedro. O encontro virtual será realizado no dia 16 de abril, às 14h (Brasília) / 18h (Lisboa) / 18h (Luanda) / 19h (Maputo). Como nas edições anteriores, o encontro será pela plataforma Zoom.


Para assistir ao bate-papo literário e ter contato com uma incrível troca de aprendizados, é necessário adquirir o ingresso pela Loja Quindim. O valor do ingresso é de R$50,00 para público em geral e R$25,00 para conveniados (Senalba, Sinpro, Sindiserv Caxias e ex-alunos dos cursos do Instituto Quindim), mediante solicitação de desconto no e-mail institutodeleituraquindim@gmail.com.


Mbate e sua arte


Natural da capital moçambicana, Maputo, Mbate tem a sua escrita voltada para os poemas, porém, sem deixar a graduação em medicina de lado, acabando, assim, se dividindo entre as duas paixões. Em visita ao Brasil (2016), enquanto participava do Festival Literário de Poços de Caldas (MG), o Flipoços, o escritor destacou que seu trabalho como médico era importante (Mbate já atuou na organização Médicos Sem Fronteiras), já que viver apenas da literatura em Moçambique não é uma realidade favorável. Além da saúde e da poesia, Mbate é um dos administradores da Cavalo do Mar, uma pequena editora em Moçambique.


Até o momento, tem quatro obras publicadas: “Minarete de Medos e Outros Poemas” (2009); “Debaixo do Silêncio que Arde” (2015); “Vácuos” (2017) - lançado no Brasil pela Editora CEPE; “Os Crimes Montanhosos” (2018) - em co-autoria com António Cabrita; este último foi finalista do Prêmio Glória de Sant’Anna 2019 (Portugal). Com “Debaixo do Silêncio que Arde” foi agraciado com o Prémio Literário BCI 2016 (para o melhor livro do ano publicado em Moçambique) e com uma menção honrosa do Prêmio Glória de Sant’Anna 2015 (Portugal). “Vácuos” foi finalista do Oceanos 2018, Prêmio Literário para os Autores dos Países de Língua Portuguesa.


Adquira o livro “Vácuos” AQUI e o ingresso para o Quintal AQUI.


Em 2019, enquanto participava da 17ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) em uma mesa literária organizada pela Associação Oceanos, Mbate criticou o fato de obras em português perderem espaço em países que têm o português como idioma principal e isso estava acontecendo em Moçambique, onde obras estrangeiras ‘tomaram o lugar’ de títulos nacionais. E pela sua editora, ele tem buscado virar o jogo e dado espaço a escritores moçambicanos.


Mbate tem textos (poemas e ensaios) espalhados por várias revistas literárias e jornais, além de colaboração em diversas antologias. Seus trabalhos estão traduzidos para alemão, inglês e italiano. Integrou o júri do Prémio José Craveirinha 2008 e presidiu o júri do Prémio IN/Eugénio Lisboa. É membro da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO).


Novidades no Quintal


A partir desta edição, todo mês o encontro contará com a participação efetiva de um/uma quintaleiro/a, que são aquelas pessoas que mensalmente participam dos encontros. Segundo um dos curadores, o escritor e presidente do Instituto Quindim, Volnei Canônica, essa é uma forma de aproximar ainda mais o público do convidado. “A participação das pessoas já é incrível e agora, com essa participação direta no bate-papo, será ainda melhor. Estamos felizes em poder reunir esses escritores e ilustradores incríveis e de ter um público cativo que sempre está lá conosco procurando trazer algo que enriqueça a conversa”, afirma Canônica. Para a edição de abril, a quintaleira convidada é a professora, escritora e cantora Taiana Machado.


Saiba mais sobre o projeto:

O Quintal da Língua Portuguesa é uma realização do Instituto de Leitura Quindim (Brasil) em parceria com o Bichinho de Conto (Portugal), Kacimbo Produção Cultural (Angola) e Associação Literária Kulemba (Moçambique). Os encontros acontecem no terceiro sábado de cada mês, pela plataforma ZOOM e tem duração média de 2h.

Criado em 2011, no Rio de Janeiro, por um grupo de artistas, dentre eles os membros fundadores Edna Bueno, Lucília Soares, Ninfa Parreiras, Ondjaki e o presidente do Instituto Quindim, Volnei Canônica, o Quintal tem conversado e debatido sobre a relação de cada convidado com a língua portuguesa, explorando o fazer literário e outras manifestações artísticas.

A curadoria conta com o time original, além da portuguesa Mafalda Milhões e do moçambicano Dany Wambire. A logomarca do projeto foi criada pelo premiado ilustrador pernambucano André Neves. Os participantes recebem certificado emitido pelo Instituto de Leitura Quindim.



LEIA TAMBÉM


Comments


bottom of page